Revista Tobillo y Pie | Vol. 03 – No. 02

Artigos Científicos publicados na edição Volume 03, Número 02. Faça o download da edição completa em PDF.

 

Técnica Percutánea en Hallux Valgus Severo y Moderado: Estudio de resultados de 90 casos

Zanolli De Solminhiac, D. 1; Fernández Comber, S. 2

Estudio realizado em Clínica Santa Maria. Santiago de Chile. Chile.

1 Past Fellow Pie y Tobillo SCHOT 2008/2009

2 Jefe Equipo Pie y Tobillo Clínica Santa María

RESUMO

Existem inúmeras técnicas para a cirurgia do Hallux Valgus. As osteotomias do primeiro metatarsiano são, hoje em dia, as técnicas aceitas como solução duradoura e com resultados clínicos aceitáveis. A forma (aditiva, de resseção) e a localização (proximal, diafisária, distal) da osteotomia dependem da magnitude da correção requerida do ângulo inter metatarsiano (IMA) e das características de longitude do primeiro metatarsiano. O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados clínicos e radiológicos de uma série de pacientes operados com osteotomia de resseção da base do primeiro metatarsiano associada à buniectomia e liberação cápsulo-tendinosa lateral realizada com técnica de mini-invasão ou percutânea. Foram avaliados 90 pés em 52 pacientes submetidos à técnica descrita entre junho de 2008 e outubro de 2009. 0 IMA foi utilizado como avaliação radiológica e Escala de Satisfação de Keneth Johnson para avaliar os resultados com um mínimo de 10 meses de seguimento. Resultados: IMA pré-operatorio 15.2° (9 – 22) IMA pós-operatório 7.5° (0 – 15) Correção IMA 8.1° (0 – 12) Nos resultados clínicos, a satisfação completa ou com reparações menores alcançou 93% dos 68 pés avaliados. Complicações: dos 90 pés avaliados tivemos 21 pacientes com complicações, destacando infecção profunda em um caso, recidiva ou correção insuficiente em três casos e fratura do 2° mtt em um caso. Foram reconhecidos 15 casos de complicações menores (rigidez e metatarsalgia). Não foram apresentados casos de neuritis nem de lesão de nervos periféricos do pe. Discussão: de acordo com os resultados apresentados, comparáveis aos de outras formas de realizar a osteotomia da base, consideramos que a técnica de mini-invasão apresentada e adequada e segura em sua execução e recomendável como outra forma de realizar esta osteotomia.

 

Hallux Valgus: corrección quirúrgica mediante colgajo lenguado fibrocapsular en adolescentes

Montero Díaz, C. L. 1; Razely Portillo, S. 1; Claret Troconis, M. 1

1 Hospital de especialidades pediátricas. Maracaibo, Venezuela

RESUMO

Atualmente, a cirurgia do hallux valgus encontra-se suficientemente avançada e bastante bem minimizada com as técnicas de cirurgias mini invasivas; obtendo-se fracassos e êxitos com qualquer uma das técnicas utilizadas. O propósito do presente trabalho e apresentar uma técnica cirúrgica que nos permita resolver o hallux valgus de adolescentes, levando em conta o ângulo intermetatarsiano e cuneometatarsiano. Foram estudados 20 pacientes com diagnóstico clínico e radiológico de hallux valgus, com idades compreendidas entre 1 5 e 20 a nos que consultaram por causa de deformidade e moléstia com o calçado no primeiro dedo, entre setembro de 2008 e dezembro de 2010, tipo descritivo com aplicação de estudos radiológicos em projeções anteroposteriores e laterais do pé. Foram avaliados parâmetros como: idade, sexo, ângulo intermetatarsiano e cuneometatarsiano, assim como seu grau de correção. Vinte (20) pacientes com idades compreendidas entre 15 e 20 anos com uma média de 17.75 anos com 20 meses de seguimento apresentaram deformidade e dor ao caminhar com calçado. Evoluíram posteriormente à cirurgia para a melhoria total. A técnica de Lenguado Fibrocapsular e a modificação do ângulo cuneometatarsiano disponibilizam bons resultados e são técnicas a levar em conta no momento do tratamento cirúrgico do hallux valgus em adolescentes, com modificações do ângulo cuneometatarsiano ou que curse com uma superfície oblíqua da primeira cunha.

 

Lesión Osteocondral en Plafónd Tibial en niños. Presentación de un caso y revisión bibliográfica

Masaragian, H. 1; Massetti, S. 2; Testa, C. 3

1 Equipo de Cirugía de Pierna, Tobillo y Pie (EPTP), Buenos Aires, Argentina.

2 Centro de Traumatología, Ortopedia y Rehabilitación de San lsidro (CTO), Buenos Aires, Argentina.

3 Centro de Traumatología, Ortopedia y Rehabilitación de San lsidro (CTO), Buenos Aires, Argentina.

RESUMO

Introdução: apresentamos um caso e revisão bibliográfica de lesões osteocondrais de plafond tibial em crianças, patologia rara, tanto em crianças quanto em adultos. Material e Método: paciente de 12 anos de idade com dor crônica no tornozelo esquerdo sem localização específica com um ano de evolução. Antecedente de entorse com radiografias negativas, tomografia axial computada e ressonância magnética nuclear positiva. Após um ano de tratamento conservador, foi decidido o tratamento cirúrgico artroscópico. Discussão: na bibliografia consultada, entre 1987 e 2009 foram encontrados 10 trabalhos acerca do assunto, e apenas 8 incluíam dita lesão. Nenhuma especificamente em crianças, exceto Raikin (10) e Sijbrandij (12), com faixa etária entre 10-18 e 12 – 51 anos, respectivamente. Na maioria, o tratamento escolhido foi o cirúrgico artroscópico. Conclusão: as lesões osteocondrais do plafond tibial em crianças são lesões raras. A maioria dos autores coincide que o tratamento escolhido é o cirúrgico, mediante artroscopia, reservando para as lesões extensas e/ou recidivas o transplante osteocondral. (Pearce (9) e cols.- Ueblacker (13)). Nossa apresentação tem como objetivo fornecer informação sobre um assunto raro, causal de dor crônica de tornozelo em crianças e revisão bibliográfica.

 

Osteomía de Scarf modificada para el tratamiento del Hallux Valgus

Parra Téllez, P. 1; López Gavito, E. 1; Gómez Carlin, l. 2; Ortiz Garza, J. 2; Vazquez Escamilla, J. 3

1 Experiencia en el lnstituto Nacional de Rehabilitación. Ciudad de México, México.

2 Servicio de Deformidades Neuromusculares; *Fellow de Cirugía de Pie y tobillo

3Jefe de División del Servicio de Deformidades Neuromusculares y Ortopedia Pediátrica

RESUMO

Objetivos: Demonstrar que a osteotomia de Scarf modificada para a cirurgia do hallux valgus apresenta maior superfície de contato basal, dando mais estabilidade e menos complicações para o manejo do metatarso primo varo e assim precisar suas indicações. Material e Método: estudo longitudinal, retrospectivo, no período compreendido entre 2005 e dezembro de 2010, em pacientes com hallux valgus e metatarso primo varo, com uma análise estatística da prova T de Student para comparar os valores pré-operatórios e pós-operatórios da escala de AOFAS. Resultados: foram realizadas 38 osteotomias de Scarf modificado em 27 pacientes. 11 pacientes foram bilaterais; a idade média foi de 45 anos; sexo: 24 mulheres (88.8%) e 3 homens (11.1%). Das 38 osteotomias de Scarf, 34 pés evoluíram bem (89.47%), 3 pés apresentaram recidiva da deformidade (2.6%), e 1 pé, artrose da articulação metatarsofalângica (2.6%). A classificação de AOFAS aumentou de forma significativa de 40,65 para 82,26 (p < 0,0001). A classificação da AOFAS aumentou de forma significativa de 40.65 para 82.26 (p<0.0001). Conclusões: a osteotomia de Scarf modificada em seu corte basal invertido da maior superfície de contato, oferecendo mais estabilidade basal e, portanto, menos complicações, sendo assim um procedimento seguro e capaz de corrigir os componentes essenciais do hallux valgus e metatarso primo varo, sempre e quando as indicações forem precisas, como a instabilidade cuneometatarsal, rigidez articular e alterações no retro pé, já que isto condiciona a recidiva do hallux valgus.

 

Displasia Epifisária Hemimélica: apresentação de um caso com 12 anos de evolução

Nery, C. 1; Baumfeld, D. 2; Raduan, F. 3; Couto de Magalhães A. A. 4

1 UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo – Brasil Setor de Medicina e Cirurgia do Pé.

RESUMO

A Doença de Trevor ou Displasia Epifisária Hemimelia (DEH) é uma doença do desenvolvimento esquelético caracterizada pelo crescimento assimétrico da epífise de um osso. Histologicamente, pode ser considerada como um osteocondroma das epífises. Na maioria das vezes, os sintomas aparecem ainda na infância. O sexo masculino e mais frequentemente acometido do que o sexo feminino em uma proporção de 3:1. O sintoma mais comum é o surgimento de uma massa de consistência óssea e indolor na região do tornozelo ou joelho, seguido pelo inchaço, restrição da movimentação articular e deformidade. O diagnóstico por imagem e realizado através de radiografias simples, tomografias axiais computadorizadas e ressonância magnética. O tratamento depende da localização da displasia, do grau de envolvimento da epífise, das deformidades e dos sintomas. Pacientes assintomáticos não precisam ser tratados. Quando não há deformidades, a excisão da massa e o melhor tratamento. Se houver assimetria do envolvimento da epífise com deformidades angulares, a ressecção da massa precisa ser combinada com osteotomias corretivas. Apresentamos um caso de Doença de Trevor em uma menina de 12 anos de idade, tratada pela ressecção da massa osteocondral do talo e artrodese talonavicular. Ao final de 12 anos de seguimento, a paciente permanece assintomática e não houve recidiva da doença.

 

Complicaciones de las amputaciones del primer dedo

Martinez, S. 1

1 Comité Uruguayo del Pie. Montevideo, Uruguay.

RESUMO

0 primeiro dedo tem um papel muito importante para o passo normal, por isso sua falta pode gerar múltiplas complicações. Este trabalho pretende assinalar e analisar os problemas que a amputação do primeiro dedo pode gerar, que não é o fim de um problema, mas o princípio de muitos. Foram avaliados 13 pacientes (14 pés), a maioria, diabéticos. 12 tinham uma ou mais das complicações estudadas. Conclui-se que antes de realizar a exérese de um primeiro dedo, e fundamental ser cauto e tentar por todos os meios possíveis salvar a integridade do raio.

 

Técnica Cirúrgica: Neoligamentoplastia para o Tratamento das Lesões Ligamentares Puras das Articulações Intercuneiformes e Tarsometatársicas

Nery, C. 1; Réssio, C. 2; Marion Altoza, J. F. 3

1 UNIFESP – Escola Paulista de Medicina – São Paulo, Brasil.

Revista Tobillo y Pie | Vol. 03 – No. 02